Cidades

Incentivo para desvendar o universo das letras; programa estimula leitura

 Programas de incentivo à leitura da Secretaria de Educação, como “Caminhos da Escrita”, “Leitura vai, escrita vem” e “Projeto Trilhas”, têm ajudado milhares de alunos da rede municipal a ingressar no mundo mágico das palavras. Esse passeio que dá asas à imaginação é reforçado com a Feira Literária de São Bernardo do Campo (Felisb). A edição deste ano teve um diferencial: aconteceu simultaneamente nas 178 unidades escolares (Infantil, Fundamental, EJA, profissionalizantes e de complementação educacional). A rede conta com 80 mil alunos. A exemplo das duas primeiras edições, a de 2015 reuniu cerca de 10 mil pessoas. Equipes gestoras e professores da rede municipal e público em geral tiveram a oportunidade de usufruir de formações nas diferentes áreas do conhecimento. A rede escolar possui 670 mil exemplares para empréstimo aos alunos. Nesta edição participaram da Feira 28 editoras. Além do fomento à leitura, a iniciativa da Prefeitura visa a renovação do acervo escolar e a promoção dos espaços/iniciativas leitoras das escolas e dos territórios.A estudante Victória Gabrielle Diniz Aguiar, 11 anos, da EMEB Pedro Augusto Gomes Cardim, no Bairro Assunção, se considera uma “apaixonada” pela leitura. A menina conta que a família gastou R$ 400 em livros para ela na edição anterior da Feira, em 2013. Ela lê em média quatro livros por mês, e diz que criou o hábito da leitura com a ajuda da família. “Minha mãe e meu irmão mais velho sempre liam para mim quando eu era mais nova. A leitura nos faz conhecer um mundo que a gente sequer imagina que exista. Mas prefiro livros de ficção e aventura. O mundo já é cheio de problemas. E livro é para a gente se divertir.” Reforço importante – As bibliotecas interativas, presentes em 109 escolas da rede municipal, representam outra ação de incentivo à leitura. Os espaços têm esse nome justamente porque neles a construção do conhecimento se dá de forma interativa, entre alunos e professores. A informação chega por meio de diversas fontes, seja pela contação de histórias ou reunião de alunos para leitura e pesquisas que reforçam o conteúdo de sala de aula, como a forma correta da escrita e significado das palavras. Na convivência interativa, a leitura contribui para que o aluno tenha atitude reflexiva e crítica em relação aos textos lidos, bem como a socialização de suas impressões por meio de argumentações, escritas ou orais, que justifiquem as escolhas e preferências, tanto em relação aos gêneros, autores e assuntos quanto aos modos de ler (em grupo, em casa ou na biblioteca). Os alunos podem retirar livros semanalmente por empréstimo. Em alguns bairros, a comunidade também faz uso das bibliotecas interativas. Para a professora Elaine Galluci Falcão, 36 anos, esses espaços são essenciais no aprendizado, porque muitos pais não têm condições ou tempo para levar os filhos às bibliotecas da rede municipal. A aluna Nicolly Rodrigues dos Santos, 9 anos, é frequentadora assídua da biblioteca interativa da EMEB Pedro Augusto Gomes Cardim: “A biblioteca ajuda muito nos estudos. Se não existisse, ficaria mais difícil fazer pesquisas. Se você tem um dicionário à disposição, por exemplo, fica mais fácil para aprender coisas novas. Ao ler, imagino que estou dentro da história”, diz Nicolly, moradora do Bairro Assunção 

Mostrar Mais

Walter Estevam

Casado, Publisher do Jornal ABC Repórter e da TV Grande ABC, Presidente da ACISCS, Ex-Presidente da ADJORI, Ex-Presidente da ABRARJ, Ex-Professor Faculdade de Belas Artes de São Paulo, Jornalista, Publicitário, Apresentador dos programas 30 Minutos e Viaje Mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar